Estes são os notebooks com Windows 10 que prometem mais de um dia de bateria

0
follow us in feedly

Direto do Havaí — A próxima leva de notebooks promete mudar a forma como trabalhamos: eles são equipados com processadores ARM da Qualcomm, rodam Windows 10, têm conexão constante à internet e oferecem até uma semana de duração de bateria, sem sacrificar o desempenho.

“Uma semana de bateria” foi um termo repetido à exaustão no evento da Qualcomm, mas ainda é mais uma fórmula de marketing do que algo real. Na prática, os dois notebooks anunciados pela Asus e pela HP prometem autonomia entre 20 e 22 horas contínuas — suficiente para dois ou três dias de trabalho, se você não costuma rodar softwares pesados, o que continua bem animador.

O Asus NovaGo tem preço de notebook intermediário, custando a partir de US$ 599, mas é equipado com processador Snapdragon 835, o mais potente da Qualcomm disponível no mercado. Ele aguenta 22 horas de reprodução de vídeo ou 30 dias em standby conectado. A conexão é 4G, com possibilidade de eSIM (você pode reaproveitar o número do seu celular no notebook) ou o tradicional Nano-SIM.

Por dentro, estamos falando de uma máquina com tela de 13,3 polegadas (1920×1080 pixels), 4 ou 6 GB de RAM, além de 64 ou 256 GB de armazenamento em flash. O modelo mais caro terá preço sugerido de US$ 799, o que ainda fica abaixo da faixa dos mil dólares praticada nos concorrentes com Intel. A Asus promete lançá-lo a partir do primeiro trimestre de 2018.

Já o HP Envy x2 é uma espécie de Surface da HP, com teclado destacável e apoio dobrável na capa, que é revestida de couro. Com bateria de 20 horas de reprodução de vídeo ou 30 dias em standby conectado, ele tem 4G, alto-falante da Bang & Olufsen e 6,9 mm de espessura. O notebook será lançado em 2018 e ainda não tem preço definido, mas está em uma faixa de preço maior que o NovaGo.

Ambos os notebooks rodam Windows 10 — na verdade, Windows 10 S, uma versão que só executa aplicativos da Loja do Windows, mas é possível fazer o upgrade para instalar softwares originalmente compilados para a arquitetura x86. Isso significa que temos um sistema operacional completo, diferente do fracassado Windows RT, que tinha um ecossistema bastante limitado.

A arquitetura da Qualcomm abre algumas possibilidades, se as promessas forem cumpridas. Primeiro, uma autonomia de dezenas de horas significa que não levaremos mais a fonte do notebook para todo lugar. Segundo, o 4G permite baixar e atualizar dados mesmo com o notebook em standby (assim como já acontece no smartphone) e acaba com a dependência de redes Wi-Fi, que quase sempre não são boas fora de casa.

Mas o mais importante é que, depois de muitos anos, parece que finalmente temos alguma opção além da Intel nos notebooks — e as experiências passadas mostram que o surgimento de um novo concorrente pode trazer bons frutos. Veremos o que os computadores com Snapdragon serão capazes de fazer em 2018.

Paulo Higa viajou para o Havaí a convite da Qualcomm.

Estes são os notebooks com Windows 10 que prometem mais de um dia de bateria

follow us in feedly

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here