Motorola ‘fura’ Apple e lança Moto Z sem entrada de fone de ouvido

0
271

 Lembra quando os rumores apontavam que o iPhone 7 não teria mais a
tradicional entrada de fones de ouvido, e seria necessário usar a mesma
entrada usada pelo carregador para conectar um fone no celular? A
maioria das pessoas ficou enfurecida com a ideia, que, na prática, faz
com que todos os fones antigos se tornem inúteis imediatamente sem um
adaptador.

Pois bem. A reação negativa não impediu que outras empresas
decidissem furar a Apple e se antecipar à “revolução” do smartphone sem
entrada para o cabo P2 (o cabo de fone convencional). O exemplo disso é a
Lenovo/Motorola e o seu novíssimo Moto Z.

Sim, o novo Moto Z não tem entrada para fones de ouvido. O aparelho é
superfino e, em partes, essa pequena espessura se deve à ausência de um
conector P2 padrão. O usuário é incentivado a usar um adaptador, ou
então comprar novos fones que se adequem ao novo padrão USB tipo C. A
outra alternativa é recorrer ao bom e velho fone Bluetooth.

A empresa, no entanto, fornecerá na própria caixa o tal adaptador do
celular, o que é uma solução mais adequada, mas longe de ser perfeita.
Estes dispositivos são pequenos e podem ser perdidos com grande
facilidade, o que deve forçar o usuário a comprar um novo, que pode não
ser barato (não temos o preço ainda).

O ideal seria não mexer nesta área; não sem pelo menos deixar muito
clara a mudança e explicar os ganhos técnicos. A gente sabe que a
tecnologia avança e formatos antigos não necessariamente se adaptam ao
novo mundo. No entanto, se você vai remover um conector extremamente
tradicional e ainda amplamente usado por todo mundo que tem um celular, é
necessário explicar qual é a vantagem. Um celular dois milímetros mais
fino não é um bom argumento.

Quando os leitores de discos ópticos começaram a desaparecer dos
laptops, muitos ficaram ressabiados, mas havia de fato uma vantagem. Os
notebooks que eram pesados e desajeitados começaram a ficar muito mais
leves e finos, e hoje cabem em qualquer bolsa. Houve um ganho muito
claro tanto em estética quanto em portabilidade, que, somado à visão de
mercado que a mídia óptica cairia em desuso, só beneficiou o usuário no
longo prazo.

No entanto, não é possível fazer um paralelo com o fim da entrada de
cabo P2 nos celulares. A vantagem estética de eliminar a entrada é
marginal, no máximo eliminando poucos milímetros de espessura e uns 10
gramas de peso. Pode, sim, haver ganho de qualidade de áudio, mas a
Lenovo não falou uma palavra sobre isso na apresentação do Moto Z. É
importante explicar estes pontos para um possível consumidor, mas nada
disso foi feito.

Fonte: Olhar Digital

follow us in feedly  

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.