Página da Raríssimas no Facebook: procura-se!

0
25

Antes de avançarmos com a informação que realmente importam, uma lição básica nos dias de hoje: com a Web 2.0, o consumidor ganhou realmente poder, não tendo já a necessidade de recorrer a jornalistas para mediar a informação. Se antes necessitava de um intermediário para fazer chegar os seus pontos de vista ao destinatário, hoje uma página nas redes sociais é uma porta aberta. Que o diga a Raríssimas, a associação sem fins lucrativos, criada em 2002, para apoiar crianças vítimas de doenças raras e cuja presidente está a ser acusada de desvio de fundos públicos para o pagamento de despesas pessoais.

A página de Facebook da Associação Raríssima, que este domingo se encheu de comentários negativos contra a presidente Paula Brito Costa na sequência da reportagem da TVI que mostra como a responsável levou uma vida de luxo à conta do dinheiro público que chegava à associação, foi eliminada da rede social. Também o site da associação continua em baixo. Uma pesquisa pelo nome da associação na rede social já só devolve um resultado: o da delegação do Algarve. E mesmo essa página já está inundada de comentários negativos e insultos contra Paula Brito Costa. A página da associação poderá ter sido apagada intencionalmente pela própria Raríssimas ou então pode ter sido temporariamente desativada devido ao elevado número de críticas negativas e denúncias que recebeu nas últimas horas. São vários os casos em Portugal em que uma polémica envolvendo uma marca, empresa, associação e, sobretudo, a forma desastrosa como é gerida a comunicação nas redes sociais foi rastilho para sérias consequências. A mais conhecida terá ocorrido em 2009.

A Ensitel foi a primeira empresa Portuguesa que sofreu uma revolta nas redes sociais, quando a blogger Maria João Nogueira (responsável pela plataforma de blogs do Sapo) escreveu no seu blog Jonasnuts vários posts sobre a Ensitel que relata o caso de um telemóvel com defeito que a empresa não quis trocar. Em Dezembro de 2010, a blogger recebeu um documento de 31 páginas em que é intimada pelo tribunal a constituir a sua defesa, porque a Ensitel pretendia obrigá-la judicialmente a apagar os posts que relatam esta situação, decisão que acabaria por se transformar numa onda de críticas à posição ditatorial assumida pela Ensitel, posição que a própria empresa acabaria por reconhecer – e lamentar.

Veja também…

Deixe o seu comentário

follow us in feedly  

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.