‘Youtubers’ portugueses declaram guerra ao bom senso

0
114

A Internet está de novo ao rubro. Os ‘youtubers’, jovens que rapidamente escalam para a perigosa posição de manipuladores de consciências, sobretudo as de mais tenra idade e formação, receberam recados de várias figuras públicas, e pelos vistos querem estar imunes a críticas.

A carta aberta por Nuno Markl, autor de vários programas de rádio em Portugal, dirigida aos ‘youtubers’ nacionais não caiu bem no seio da comunidade. O apelo ao bom senso, escrito em tom harmonioso e pacifista, não foi recebido com agrado por um número alargado de ‘youtubers’ portugueses. Ana Galvão, que além de também apresentadora de rádio partilha o papel de mãe, surgiu em reforço da necessidade de moderação dos conteúdos que estes jovens elaboram. O recurso massivo a expressões sem valor linguístico e de baixo nível está no centro das críticas.

Do outro lado da barricada Tiagovski, parece ser o ‘youtuber’ nacional mais irritado com toda esta situação, e também o que vídeos com conteúdos, nomeadamente linguagem, mais impróprios produz. Como diz a ‘sabedoria popular’, sábia nestas coisas de sensibilidade e bom senso, «Tiagovski basicamente enfiou a carapuça». De imediato utilizou os seus seguidores como reféns para um escudo humano capaz de gerar os mais desagradáveis comentários nos mais variados sítios da Internet. O primeiro vídeo praticamente insulta Nuno Markl e todos os que defendem o bom senso na Internet, como que apelando uma descida ao submundo.

Para elucidar mais pais e ridicularizar a conduta reprovável de Tiagovski, Joana Marques da Antena 3 levou o seu triste episódio para o programa ‘Extremamente desagradável’, caricaturando-o.

Tal posição da radialista mereceu de imediato nova chuva de ataques através do Twitter, exibindo a fraca qualidade da sua ortografia com um questionável ‘prenunciar’.

Em relação a rádios/tvs não me irei prenunciar mais , provavelmente como o YouTube está cada vez mais forte o mais provável é sermos alvo de mais críticas no futuro , stay strong ??

— Tiagovski (@Tiagovski555) January 13, 2018

Confrontados com ameaças, insultos e outras demais situações reprováveis, Nuno Markl e os demais vieram ressalvar que se tratou apenas de um manifesto a pedir mais qualidade na Internet portuguesa e moderação na linguagem. Markl explica que há “alguns youtubers que não perceberam: a) Que não estávamos a falar de TODOS os youtubers, mas só de ALGUNS; b) Que não queremos mal a esses youtubers, apenas que os pais acompanhem e se interessem mais por aquilo que os filhos vêem no YouTube; c) Que não faz muito bem aos miúdos ouvir influenciadores a influenciá-los a mandar as mães para o crlho. Se calhar há mães que não se importam e nós é que somos uns botas de elástico. Mas eu acho sempre que mandar para o crlho alguém que passou pela seca de nos carregar 9 meses no ventre, que aguentou as nossas birras nocturnas, nos limpou o rabo repleto de trampa e tem a trabalheira e a despesa de nos criar, merece algo melhor”.

A questão vai ainda mais longe, podendo nos comentários encontrar-se o desabafo sobre a tristeza de Markl: “Não fazia ideia que chegava a este ponto, de aconselhar seguros de saúde e marcar porrada com senhoras.”

Joana Marques aproveitou também a sua presença nas redes sociais para esclarecer que, tal como Ana Galvão. “O fim‑de‑semana foi muito isto. É a derradeira prova de que os pais não sabem mesmo o que os filhos fazem online. Acredito que a linguagem de carroceiro e o teor das mensagens faria corar de vergonha a maioria das mães. Agora a vida segue, amanhã é segunda-feira e há trabalho para fazer (ou aula de físico-química, dependendo do caso). Se continuarem a portar-se mal chamamos a Supernanny”.

Pelos vistos a nova geração de youtubers, que possui um recurso fantástico, não sabe utilizar nem a língua portuguesa, nem a comunicação, muito menos a liberdade de expressão que lhe foi confiada por outras gerações.

O episódio está longe de ter terminado, mas mostra bem o estado de um país, que triste continua a aplaudir o que de mais baixo existe: a violência! O bom senso dá sinais de ter ido para cada vez mais longe, e a fogueira dos insultos está capaz de fazer mais mortes do que os incêndios que tragicamente assolaram o país. «Assim vai este país….»

Veja também…

Deixe o seu comentário

follow us in feedly  

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.